Entrevista com o Dr. John McAlane, Bournemouth University, sobre o vício em criptomoedas

Este Q&A é a entrevista completa com o Dr. John McAlane. Para nosso mergulho… The post Entrevista com o Dr. John McAlane, Bournemouth University, sobre o vício em criptomoedas appeared first on Guia do Bitcoin.

Entrevista com o Dr. John McAlane, Bournemouth University, sobre o vício em criptomoedas

Este Q&A é a entrevista completa com o Dr. John McAlane. Para nosso mergulho profundo no vício em negociação de criptomoedas, com a contribuição do grupo completo de especialistas, veja este artigo.

Abaixo está uma entrevista com o Dr. John McAlaney – Psicólogo e Cientista certificado e Professor de Psicologia na Bournemouth University. Esta é a transcrição completa de nossa entrevista, cujas citações foram publicadas em nosso artigo principal sobre o tema aqui.

Para um mergulho profundo no tópico do vício em negociação de criptomoedas e seus links para jogos de azar, siga esse link. Quanto à entrevista completa do Dr. John McAlane, veja abaixo.

CoinJournal (CJ): Você acha que há semelhanças entre o vício em negociação de criptomoedas e o vício em jogos de azar? Se sim, poderia citar os mais notáveis?

Tanto a criptomoeda quanto o jogo compartilham um grau de risco. Isso é algo que as pessoas podem achar excitante e pode atraí-las para o comportamento. Além disso, tanto o jogo quanto a criptomoeda podem envolver um grau de habilidade e, por sua vez, podem resultar em lucro.

Por exemplo, um jogador de pôquer profissional e habilidoso pode ganhar dinheiro suficiente com o pôquer para que ele se torne a principal fonte de sua renda. Da mesma forma, alguém que tenha experiência em criptomoedas pode ganhar a vida negociando – mas em ambos os casos é apenas uma minoria de pessoas que são bem-sucedidas.

 

CJ: Na sua opinião, o que torna atividades como negociação tão viciantes?

Como humanos, evoluímos para sermos motivados por recompensas. Essa é uma das maneiras pelas quais aprendemos a funcionar na sociedade. É também uma das razões pelas quais os vícios comportamentais existem – fazemos algo e somos recompensados por isso de alguma forma, o que nos motiva a fazê-lo novamente. Também somos levados a ser curiosos e a correr alguns riscos. Isso nos ajuda a explorar o mundo social. A negociação combina esses dois processos.

CJ: Quais são seus pensamentos sobre influenciadores que, em troca de uma taxa dos fundadores, promovem criptomoedas obscuras para seus seguidores com pouco conhecimento de como isso funciona – você acha que isso é problemático?

Somos todos criaturas sociais, embora muitas vezes subestimemos o quanto somos influenciados por aqueles que nos rodeiam. Isto é especialmente verdade em muitas culturas, onde nos orgulhamos de ser indivíduos. Também tendemos a supor que os outros sabem mais do que nós, se esses outros agirem de maneira confiante e informada.

Isso significa que as pessoas podem prestar atenção aos influenciadores com base em como esse influenciador se apresenta; em vez de basear seu julgamento no quanto esse influenciador sabe objetivamente sobre negociação.

CJ: Na sua opinião, a volatilidade diária dos preços das criptomoedas afetaria a saúde mental, já que as pessoas veem seus investimentos subir e descer tão amplamente a cada dia?

Embora um certo grau de risco possa ser agradável, também gostamos de ter alguma consistência em nossas vidas – em outras, podemos lidar com um grau de imprevisibilidade, mas apenas até um nível previsível. Passar continuamente por períodos de volatilidade e incerteza pode causar sentimentos de ansiedade nos indivíduos, o que pode impactar em sua saúde mental.

CJ: A pesquisa sobre o vício em negociação de criptomoedas ainda é limitada, você acha que a necessidade disso provavelmente aumentará no futuro?

Isso é muito provável. A negociação de criptomoedas é um novo comportamento, e novos comportamentos sempre chamam a atenção dos pesquisadores. Este é especialmente o caso se houver qualquer sugestão de que o comportamento em questão pode causar danos ao indivíduo ou a outros.

 

CJ: Você acredita que o setor de criptomoedas deveria estar fazendo mais para promover investimentos seguros e abordar o problema do vício?

Em outras indústrias, como a indústria de jogos de azar ou a indústria do álcool, espera-se que as empresas se engajem no que se chama de responsabilidade social corporativa, na qual promovem o uso seguro de seus produtos, embora muitas vezes haja debates sobre se essas indústrias estão fazendo o quanto poderiam fazer. Isso às vezes é reforçado pela legislação.

O setor de criptomoedas tem potencialmente uma vantagem nisso, pois, em teoria, é mais fácil rastrear o comportamento online do que rastrear o comportamento offline, como o uso de álcool. Isso significa que há potencial para identificar mais rapidamente as pessoas que estão enfrentando problemas e também para fornecer suporte personalizado.

No entanto, isso requer um esforço coordenado da indústria. Se um indivíduo viciado acredita que uma empresa de criptografia está restringindo suas ações, ele pode ir para outra empresa.

CJ: O jogo convencional é restrito em muitos territórios a consumidores maiores de 18 anos. Você acredita que deveria haver uma regra semelhante dentro da criptomoeda, a fim de proteger mentes mais jovens e mais impressionáveis de um possível vício?

Sim, acredito que a negociação deve ser limitada a maiores de 18 anos. No entanto, temos que reconhecer que isso é extremamente difícil de regular. Eu também diria que o tipo de pessoa que se interessa por criptomoedas é muitas vezes o tipo de pessoa que entende e sabe como burlar os sistemas de computador.

CJ: Se eu puder pressioná-lo para uma resposta sim ou não, você acredita que o mundo seria um lugar mais feliz sem o jogo?  

Eu não acredito. A maioria das pessoas que jogam o fazem de maneira segura, responsável e agradável. Aqueles que desenvolvem vícios em jogos de azar muitas vezes estão enfrentando problemas em suas vidas que estão por trás de seus vícios. Se não fosse o jogo, eles provavelmente demonstrariam vício em outra coisa.

 

CJ: Semelhante à pergunta acima, o mundo seria um lugar melhor sem investir em criptomoedas?

Eu duvido. A criptomoeda surgiu de indivíduos que procuram encontrar novas maneiras de entregar transações financeiras. Essa curiosidade sobre como os sistemas funcionam e como eles podem ser alterados é um aspecto fundamental do que é ser humano. O mundo seria muito chato se as pessoas sempre aceitassem o status quo.

CJ: Que conselho você pode dar às pessoas interessadas em negociar criptomoedas, que podem estar predispostas a vícios relacionados ao jogo?

Qualquer pessoa que esteja ciente de que pode ter um problema de jogo provavelmente já sabe que deve evitar atividades como negociação de criptomoedas. Se eles decidirem se envolver, devem estar atentos a seus próprios comportamentos e pensamentos e ficar atentos a sinais de alerta, como perseguir perdas, mentir sobre seu comportamento para os outros ou sentir culpa ou remorso por suas ações.

The post Entrevista com o Dr. John McAlane, Bournemouth University, sobre o vício em criptomoedas appeared first on Guia do Bitcoin.